terça-feira, 27 de dezembro de 2011

zzzzz atualizando

tempo sem escrever aqui, férias e essas coisas. 
um natal e ano novo bem sangrento pra vcs.
deixando alguns tópicos:


-o JN fez uma matéria sobre cuba em uma semana dessas aí, e tem muita coisa pra quem quizer pesquisar sobre a tendenciosidade das matérias e tal, procurem no google.






-dota lançou heróis novos e itens novos em uma versão roubada de natal.






-dando uma olhada em um livro gosu de calculo, da década de 70, usa infinitesimais e trabalha com hiperreais.


não tenho certeza se é esse, parece que esse é uma versão mais nova,
o que eu tenho não tem nem capa colorida nem desenho


-jogando com um warlock UD em um server private de wow for the lulz (molten wow, 1x, quem quizer me achar lá meu nick é nihility






-anime Detroit Metal City, dá pra rir na frente do pc. só pra quem é brutal. é curto, da pra ver de boa, recomendo.






-tentando resolver um puzzle "físico", não vou explicar aqui porque é foda de entender. tive que criar uma notação pra ir abrindo a árvore de possibilidades etc. dps crio um post mais detalhado sobre isso.


acho que é isso.


links
http://en.wikipedia.org/wiki/Elementary_Calculus:_An_Infinitesimal_Approach
http://www.playdota.com/changelogs/6.73
http://lmgtfy.com.br/?q=mentiras+jn+cuba
https://www.molten-wow.com/
http://en.wikipedia.org/wiki/Detroit_Metal_City





domingo, 4 de dezembro de 2011

dois pensamentos da semana.

"entender metal é ordenar o caos."


.


"e eles chamam minhas letras sanguinárias de hematopoética."


                                                               - g k, 4 dec

domingo, 27 de novembro de 2011

quotando o velho

tudo que tem massa é uma porção limita de de matéria;
tudo que é uma porção limitada de matéria é um corpo.
eu tenho uma porção limitada de matéria me formando,
eu sou um corpo humano.


                                                                               -Pedro Marcos.

terça-feira, 15 de novembro de 2011

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

brasil, política, século xx

devem ter erros ou distorções, mas é mais ou menos assim






ficou bonitinho, eu sei.
não botei os oligarcas do café porque hellnoes que aquilo era uma democracia

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

10 músicas underrateds que você desejaria ter ouvido antes

a maioria ai é levinha, pode ir sem medo, boiolas


1 . hopes die last  - ever the same and always will be 
estrutura excelente, com "uma música dentro da outra" (a música de dentro entre 2:14 e 2:36), e a "passagem" é simplesmente imba.


2. dance gavin dance - rock solid
letra e instrumental lindos como em todas as músicas do dgd. mas essa é overfoda.


3. synopsis - a dream full of fears
música ótima, banda desconhecida, dá pena :\ e ainda são ucranianos


4. spider killed bananaman - all the guilt lies on you
sincronia super foda. parece que o vocal e a guitarra se misturam.


5. sirens - gates
porra, a música é foda, só isso. muita técnica, tem tudo.


6.  my bitter end - becoming misfortune
progressividade, virtuosidade.


7.  knights of the abyss - the culling
medievalmente brutal. headbangs lentosos.


8.  fall in archea - hedges burn black
aquele solo estranho e tal.


9. drop dead gorgeous - daniel wheres the boat
caralho. nem sei explicar, é tipo uma imersão fluida aos 0:55.


10. cartel - matter of time + the academy is... - down and out + mayday parade - I'd Hate To Be You When People Find Out What This Song Is About (é, colei)
juntando 3 pop punks pra chegar no nivel das outras pra poder postar aqui rs. e esses são os de melhor qualidade se quiser se aventurar nesse lado meio rosa do mundo. 


11. at the throne of judgement - sentinel
ok, parei



terça-feira, 8 de novembro de 2011

parábolas de um y vértice

depois de uns meses de delay pra postar isso...

em ax^2 + bx + c


brincando com programas de matemática, percebi que para um dado "a" o Yv só depende da distância das raízes.

com meu cérebro infantil tentando deduzir a fórmula, cheguei que

Yv = -(diferença das raízes)^2 / 4

mostrando para um amigo, ele conseguiu generalizar para qualquer coeficiente do x^2, que ficou assim

Yv = -a(diferença das raízes)^2 / 4

é isso. 



então, se você tem uma equação tipo (x-4)(x-6), você de cara já tem o Yv sem muito trabalho com essa fórmula. diferença das raízes é 2, que ao quadrado fica 4, que sobre 4 fica 1. então, 
Yv = -1.

domingo, 30 de outubro de 2011

a vida é como um muv

onde só a aceleração é constante... so... the only constant... is change!



nothing remains the same,
there's only growth or decay.

sábado, 15 de outubro de 2011

calculando a grossura de sua uretra

bom, parece que encontrei alguma "utilidade" para a "hidrodinâmica" do ensino médio.


g = (3,5 raizdeh / t d raizde10)cm^2 


g = grossura da sua uretra (área transversal, cm^2)
h = sua altura em metros
t = tempo que você demora pra encher uma lata 350ml de mijo (segundos)
d = distância horizontal que você consegue arremessar seu fluído (metros)


não vou por a dedução aqui, fica como diversão para vocês. (como se alguém fosse ler isso rs)

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

dissecando o apologies, segunda parte.
se você não leu a primeira, volta um pouco aí nas postagens.


arms of the messiah   [3.5/5]
começa brutal já. e continua. guitarra que te dá medo. 0:13 a bateria vira e você já dentro. daí eles meio que quebram tudo que construiram e a música volta aos 0:51 e vai esquentando com 3 ciclos básicos esquentadores (3?) aos 1:14 muda para algo estranho mas enjoyable depois de se acostumar pra quebrar aos  1:40 com uma energia meio.. seilá. esse chorus fico estranho mesmo, parece que forçaram. o segundo ciclo dele fica legalzinho até, mas nada demais. o solo guitarresco depois ficou prime, talvez um dos melhores do cd em um música tão mediana. depois a música praticamente acaba sem nada pra destacar, aquele feijão de arroz de sempre com possíveis headbangs para os mais exaltados.


apologies are for the weak  [4/5]   recomendada
ela carrega o nome do albúm, e com razão. é uma das melhores imo.
0:30 você é jogado na musica por aquele artificio da bateria e ela só vai ficando mais profunda. 0:45 continua progredindo com uma bateria te segurando pra vc não gozar ainda. 1:13 é uma puta provocação e você já ta louco mesmo, e de quebra aquela guitarra aos 1:27 e APOLOGIES ARE FOR THE WEAK. continua te segurando até explodir no vocal limpo novamente. aqui acabam os super heavy headbangs que vc mantinha desde o começo da música e te dá uma paz interior de "porra, é isso mesmo". depois disso é o de sempre, com destaque ao final que ele fala o titulo da música de novo e usa um chord que eu caracterizo como "aqueles que te dão medo". é um power chord normal em drop C com uma nota mais aguda que dá uma sensação sinistra. o vocal do ~weak~ também é bem visceral e fecha essa faixa.








harlots breath  [4.5/5]   recomendada um pouco menos
uma música meio fora do padrão que já foi minha preferida do albúmen. ela começa lenta e headbangosa, fica rapida aos 0:31, usa bateria faltante e fica nos bangs denovo até um puta groove dos 0:59 até 1:25 em algo muito inesperado e nunca visto na história desse CD, uma passagem completamente nova e linda, eargasm fácil se concentrando no ciclo que fica rápido e entra o vocal dessa parte. overkill. 1:25 volta com vocais variados e musica bonita até que engrena aos 1:40 e meio que dá uma direção e você ja reconhece esse padrão. tá esquentando, lá vem o baixista. e vai ficando bom e vai ficando até que ele não vem, quebra num breakdown relativamente forte e brutal. depois dele a música reseta incrivelmente rapido numa guitarra progressiva e vc pensa "agora vai". ele continua com a guitarra bonita e e ela vira um solo aos 2:59 com a bateria blastly owning no fundo. daí tem outro breakdown, depois é feijão com arroz.
e assim termina talvez a música mais... inovadora? da banda, sem vocal limpo e com passagens diferenciadas que você fica sem fôlego.


tides  [3/5]
a música mais ouvida deles no last fm por muito tempo, sem razão aparente ao meu ver.
começa aos 0:40 com a guitarra X, depois aos 0:56 vira um X+0,2 e aos 1:12 vira um Y que é a perfeita imagem de X.  1:27 ela vira muito killer e 1:40 vira progressiva bem linda que pode te dar eargasms dependendo de você. as passagens dessa música são suaves e painless e perfeitas, algo muito diferente de outras como ~not our tomorrow~. na marca dos 2 minutos a música toma o rumo clássico e você ja sabe o que vem. riff novo, bateria nova e no terceiro ciclo explode no vocal limpo novamente. 2:47 tem outro BD, mas nada muito especial nessa segunda parte da música.


massa pra caralho esse artwork, hein


blessing with a curse  [3/5]
música do oli. 0:32 começa com.. esquece. depois engrena aos 0:51 e fica até boa com uma bateria alternada  e forte, depois quebra diferente com um sotaque musical estranho pro mmi aos 1:06 e 1:21 engrena diferente, mas vai esquentando como sempre até os 1:58, quando acontece aquilo que você já sabe. depois não tem nada especial, e a música acaba.


porcelain wings  [3.5/5]
guitarra diferente e bonita já no começo, chama a atenção. 0:26 você esboça um sorriso de apreciador. aos 0:42 fica do mau e continua e TATATA, muita bateria dando pressão até um vocal downfall que acaba com tudo e te deixa em depressão. a música retorna aos 1:19 com uma guitarra sinfonica bem elaborada e quebra 1:35 com uma festa para os headbangers de plantão, com destaque a uma pedalada dupla no fim do clico. fica nisso se aprofundando. 2:10 fica virtuoso e progressivo quem lembra o pre-breakdown belamente, e depois vem outro BD meio sem pé nem cabeça mas aos 2:47 volta toda a brutalidade com uma guitarra killer com entalpia mais de oito mil, e a música acaba.;




forgive and forget  [5/5]  recomendada







haha, tá no fim. e a música preferida de muita gente aqui, encantadas pelo melhor vocal limpo do cd imo.
o clipe fala algo sobre bomba atomica que não crackiei direito.
naaaaaa.....nananaaa....nãããã...nananana NA na NÃ (2x)
naaaaaa.....TIC TIC TIC nananaTIC aa....nãããã...TIC TICnananana NA na NÃ(2x)
e finalmente começa os vocais depois de deixar você reconhecer o riff principal. nada de especial até o segundo ciclo com uma bateria mais killer levando a um breakdown com o riff inicial que acaba aos 1:02 resetando a música com um ar mais virtuoso e progressivo e você já sabe onde vc vai cair. a bateria se estabiliza no terceiro ciclo e depois ele anuncia qual vai ser a letra e aqui você já ta quase morrendo sem ar.. ainda acaba tudo no pre-chorus com uma overkill qe voce quase morre e TAKEE ME BACK TO HOW WE USED TO BEEEEEEEEEEE (i'll never close my eyes again!) HOOOOW COULD I EVER FORGET A PLACE LIKE THIS (somewhere i can call my own!) com um fundo guitarrescamente lento e virtuoso lindo progressivo super sayiajin estilo te matando devagar. 2:08 quebra na guitarra com chord que dá medo que eu já tinha falado, 2:24 dobra o tempo em uma mudança sutil mas foderosa. depois praticamente acaba, com um epílogo bem bonito até, mas pouco a se dizer.












e assim acaba a jornada épica decifrando esse álbum.


~~~~~~~~~~~~

domingo, 9 de outubro de 2011

alguns problemas de física

umas coisas que já faz um tempo que pensei sobre. aí vai

1) a) Um corpo de massa m está parado em relação a um ponto p no espaço.
    b) O mesmo corpo está com uma velocidade constante em direção ao ponto p no espaço.
pergunto: aplicando-se uma força F constante positiva nesse corpo, nas situações a) e b), entre a posição inicial e o ponto p, quanta energia essa força transferirá para o corpo? porque isso acontece?





2) Dois corpos estão "parados". Um tem a massa 10 vezes a do outro. Qual dos dois corpos receberá mais energia após sofrer a mesma força por um mesmo intervalo de tempo? Só existe uma resposta para esse problema? A partir de que ponto uma coisa compensa a outra?



sábado, 8 de outubro de 2011

balanceando reações de oxirredução like a boss

jeito mais intuitivo e menos químico; me ocorreu durante uma prova.

se você não sabe fazer do jeito "certo", faz assim.

vou dar o exemplo que teve na minha prova, não vou criar um tutorial ou um jeito único ou blablabla, só vou dizer como eu fiz esse que daí vc entende a manha e faz nas outras.

KMnO4 + HCl => KCl + MnCl2 + Cl2 + H2O

KMnO4 sólido

vou começar chutando um coeficiente; vou chamar de A

AKMnO4 + HCl => KCl + MnCl2 + Cl2 + H2O

como o potássio e o manganês tão em compostos separados e únicos nos produtos...

AKMnO4 + HCl => AKCl + AMnCl2 + Cl2 + H2O

tudo que tem de um lado tem do outro.


solução de ácido clorídrico com pH 0.
 mentira, é só água
agora chutando B pro ácido

AKMnO4 + BHCl => AKCl + AMnCl2 + Cl2 + H2O

se na esquerda temos B Hidrogênios, na direita também temos
AKMnO4 + BHCl => AKCl + AMnCl2 + Cl2 + B/2H2O

se na esquerda temos B Cloros, na direita temos 3A + O gás cloro... logo, o coeficiente do gás cloro é (B - 3A)/2. Sobre dois porque cada valor no coeficiente nos dará dois cloros; e 3A porque temos A cloros no KCl e 2A cloros no MnCl2.

AKMnO4 + BHCl => AKCl + AMnCl2 + (B - 3A)/2Cl2 + B/2H2O


solução de permanganato de potássio.
 até que é bonitinho

tendo essa reação, podemos ver que de um lado temos 4A oxigênios e do outro temos B/2 Oxigênios... logo, fica claro que 4A = B/2. B = 8A

AKMnO4 + 8AHCl => AKCl + AMnCl2 + (8A - 3A)/2Cl2 + (8A/2)H2O

AKMnO4 + 8AHCl => AKCl + AMnCl2 + 5A/2Cl2 + 4AH2O

agora a proporção tá feita. só falta achar o valor para A que vai fazer os coeficientes ficarem os menores inteiros possíveis. como temos um 5A/2, A=2. 

2KMnO4 + 16HCl => 2KCl + 2MnCl2 + 5Cl2 + 8H2O

over! acho mais fácil e mais rápido fazer assim, e impossível de esquecer, porque não é um jeito artificial que você tem que lembrar e blablabla.
as paradas de agente redutor e blablabla é só ver o nox, não precisa fazer do outro jeito. 

tchau

sábado, 24 de setembro de 2011

esboçando projeções de vetores hardcorely

seguindo os passos:

a) desenhe seu belo vetor

b) escolha uma reta para projetá-lo em cima

c) esboce uma circunferência fazendo o vetor ser o diâmetro

d) seu novo vetor é o segmento de reta pertencente à reta de ~b)~, com origem coincidente com o vetor original e fim delimitado pela circunferência.

-por que isso funciona?

Tem a ver com o ângulo inscrito do arco de 180º ser reto, vou mostrar essa imagem porque explicar com palavras é muito foda, e ninguém vai ler isso mesmo.




! .
óbvio que você não vai fazer isso cada vez, mas na hora de esboçar a projeção é legal visualizar a bola ao redor pra dar um pouco de noção.

domingo, 4 de setembro de 2011

Miss May I, dissecando o primeiro CD, parte 1/2

há quase dois anos baixei um cd de uma banda nova pra mim. miss may i. o cd era o ~Apologies are for the Weak~ .










as músicas basicamente são feitas com aquele tãtãtã com bateria e guitarra juntas, esquentando com o passar dos ciclos, com a parte da guitarra mudando e a bateria adicionando mais emoção. até que explode no baixista cantando em um autotune bonitinho e partes estranhas da música depois. mas só ouvindo pra entender mesmo o que eu to falando. os críticos "profissionais" geralmente disseram que o albúm é mediano e balbalbla. óbvio, com os caras sendo tão novo e sendo o primeiro cd (não EP) deles, nunca poderiam dizer que tem umas músicas que se destacam. mas foda-se. o CD tem altos e baixos mesmo, mas QUE altos. os baixos você só da skip. rs.






depois de gostar da banda ouvindo excessivamente as 2 ou 3 músicas "principais", você meio que passa a gostar mais das secundárias, e xd; se tu se concentrar bastante na música da pra ter uns puta eargasm, elas são bem feitinhas e tal, passagens reconheciveis e memoráveis.


visceralização do cd a baixo. se você não quiser ler tudo, coloquei umas com [recomendadas]. talvez seria legal você ouvir e ler junto, pode ajudar a entender a música mais rápido.


as músicas- 
(notas relativas às outras músicas do CD, não à outros albúms)(as notações de tempo podem mudar dependendo da versão da música que vc pegar; tenta perceber esses padroes e aumentar ou diminuir o tempo se for preciso)


a dance with aera cura   [4/5]  recomendada  


uma das mais fortes do cd. letra linda meio obscura que eu não entendi até agora.
começa com uma guitarra estranhamente enjoyable, depois vira o vocal limpo que você se sente meio solto mas segura depois na segunda parte do pseudochorus. uma artificio utilizado nessa musica é deixar batidas da bateria faltando no segundo ciclo e ele meio qe toca na sua cabeça lindamente sozinho, como em 1:19-1:26(bateria "completa") para 1:27-1:31(batidas vazias) [HEADBANGFEST]. depois disso vem vocal limpo denovo meio fail imo, mas w/e, 1:52 quebra um breakdown fudido com letra linda e tal e 2:08 BREEEEEAKING EVERYTHINNNNG.... YOUUUU SEEM TO LOVE! eargasm da música. depois vem um tempo pra se recompor, 2:41 reseta tudo e meio que acaba a música praticamente, talvez uns ultimos headbangs para os mais exaltados.


architect  [5/5]  recomendada


parabens em fazer este mundo uma passagem. a letra da música é muito profunda também e com várias interpretações possiveis.
aos 0:17 a bateria inicia o começo do enjoyment com uma batida linda e você ta sincronizado com ela até 0:34 onde tem uma mudança linda e com vocais variados e perfeitos, e ele nunca duvidou da morte. 1:03 voce pode descansar um pouco com um breakdown meio extenso e sem heat enought pra sustentar ele, mas aos 1:31 reseta e aqui você ta com tudo. a letra retrata bem a vida de um adolescente revoltado nessa parte e em 2 ciclos você passa de um breakdown com 0 de energia até o topo da cadeia alimentar com um vocal limpo que ja viu depois dessess muros, e depois ainda tem uma extenção brutal do chorus pra quem tem folêgo. aos 2:40 ele começa a não entender mais a vida e tem uma parte da guitarra fina bem bonita que da pra headbangar. de 3:10 pra frente é só relaxar e talvez aos 3:24 curtir a finaleira dessa musica que fica perfeita com a mudanca aos 3:39. pra quem ja dissecou essa música, essa pode ser incrivelmente a parte mais forte.










not our tomorrow     [3/5]


começa padronizada. aos 0:20 não entendi direito o que eles quiseram com aquilo, 0:40 tem algo estranho que não sei descrever.0:59 engrena, com uma bateria linda e brutal, vocais fudidos e explode, como sempre, no vocal limpo autotunado do baixista que pode te dar muito prazer rs. depois tem um puta BD. daí volta a normalidade e tem um solo legal com o chorus denovo, mas não se compara com o primeiro no começo, mas depois entra um vocal rasgado junto e a guitarra tem uma participação sutil no fundo imitando a melodia também que fica lindo. a finalização é perfeita. cheia de ups e downs essa.


outro dia posto o resto.

dois motivos comprovando a brutalidade das tonfas

Cory la Quay



Hibari Kyoya

~i'll bite you till death.